Cursos e Treinamentos

SIPAT ODEBRECHT - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoSIPAT ODEBRECHT - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoSIPAT ODEBRECHT - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoSIPAT ODEBRECHT - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoCurso NR 20 - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoCurso NR 20 - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoCurso NR 20 - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoSimulado de Brigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoSIPAT ODEBRECHT - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoCurso NR 20 - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoCurso CIPA SOROCABA - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoCurso CIPA SOROCABA - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoCurso CIPA SOROCABA - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoCurso CIPA SOROCABA - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoBrigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoBrigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoTreinamento Admissional em Venceslau - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoTreinamento Admissional em Venceslau - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoBrigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoBrigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoBrigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoNoções Primeiros Socorros - Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoNoções Primeiros Socorros - Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoBrigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoBrigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoBrigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoBrigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoBrigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoBrigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoBrigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoBrigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoBrigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoBrigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoBrigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoBrigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoBrigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoBrigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoBrigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoTrabalho em Altura nr 35 - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoTrabalho em Altura nr 35 - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoTrabalho em Altura nr 35 - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoBrigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoBrigada Transcooper - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoTrabalho em Altura nr 35 - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoTrabalho em Altura nr 35 - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoNoções Básicas em Princípio de Incêndio - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoNoções Básicas em Princípio de Incêndio - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoNoções Básicas em Princípio de Incêndio - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoSIPAT PREFEITURA - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoTreinamento Admissional - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoNoções Básicas em Princípio de Incêndio - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoNoções Básicas em Princípio de Incêndio - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoNoções Básicas em Princípio de Incêndio - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoSIPAT PREFEITURA - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoSIPAT PREFEITURA - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoSIPAT PREFEITURA - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoSIPAT PREFEITURA - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoSIPAT PREFEITURA - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoSIPAT PREFEITURA - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoSIPAT PREFEITURA - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoSIPAT PREFEITURA - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoSIPAT PREFEITURA - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoSIPAT PREFEITURA - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoSIPAT PREFEITURA - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoSIPAT PREFEITURA - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoSIPAT PREFEITURA - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoCurso NR 20 posto de combustível - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoCurso NR 20 posto de combustível - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoCurso NR 20 posto de combustível - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoLevantamento Quantitativo -Ruído - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoSIPAT EM CACERES - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoSIPAT EM CACERES - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoCheckp - Usina de Concretagem - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoApresentação Dinamica em Grupo - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoCurso EPI em Olarias - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoOrientações Ginástica laboral - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoRiscos Ocupacionais - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoTrabalho em Altura - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoTrabalho em Altura - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoCurso NR 10 - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoObra Civil - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoLinha de Transmissão - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoCurso NR 10 - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoCurso Segurança em Oficinas - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoRespondabilidade Civil e Criminal - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoRespondabilidade Civil e Criminal - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoProteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no TrabalhoOrientação Combate e Princípio de Incêndio - Proteção no Trabalho - Assessoria em Segurança no Trabalho

 

  • Treinamento Disposições Gerais (NR 01);
  • Curso CIPA | CIPAMIN | CIPATR (NR´s 05, 22 e 31);
  • SIPAT – Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho (NR 05);
  • Curso de EPI e EPC (NR 06);
  • Curso de Noções Básicas em Primeiros Socorros (NR 07);
  • Curso Riscos Ambientais nas Condições Ambientais (NR 09);
  • Curso de Segurança nas Instalações Elétricas (NR 10);
  • Curso de Segurança na Operação de Empilhadeira (NR 11);
  • Curso de Segurança na Operação de Ponte Rolante (NR 11);
  • Curso de Segurança na Operação de Munck (NR 11);
  • Curso de Segurança na Operação de Plataforma Elevatória (NR 11);
  • Curso de Segurança na Operação de Motosserra (NR 12);
  • Curso de Segurança na Máquinas e Equipamentos (NR 12);
  • Curso de Segurança na Operação de Roçadeiras (NR 12);
  • Curso de Segurança na Operação de Bombas Costais Motorizadas (NR´s 12 e 31)
  • Curso de Segurança na Operação de Prensas (NR 12);
  • Curso de Segurança na Operação de Rompedor (NR 12);
  • Curso de Segurança na Operação de Compactador Manual (NR 12);
  • Curso de Segurança na Operação de Caldeira (NR 13);
  • Curso de Segurança nos Procedimentos da Construção Civil (NR 18);
  • Curso de Segurança para Frentistas (NR 20);
  • Curso de Formação de Brigada de Incêndio (NR 23 e IT 17);
  • Cursos da (NR 31);
  • Curso Segurança nos Procedimentos Hospitalares (NR 32)
  • Curso de Segurança no Trabalho em Espaço Confinado (NR 33);
  • Curso Segurança em Procedimentos de Solda a Quente (NR´s 18 e 34)
  • Curso de Segurança no Trabalho em Altura (NR 35);
  • Curso de Segurança na Operação de Abate de Processamento de Carnes e Derivados (NR 36);
  • Curso Abordagem Comportamental;

Validações de Cursos

NR 05 – COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES

5.32 A empresa deverá promover treinamento para os membros da CIPA, titulares e suplentes, antes da posse.

5.32.1 O treinamento de CIPA em primeiro mandato será realizado no prazo máximo de trinta dias, contados a partir da data da posse.

5.32.2 As empresas que não se enquadrem no Quadro I, promoverão anualmente treinamento para o designado responsável pelo cumprimento do objetivo desta NR.

5.34 O treinamento terá carga horária de vinte horas, distribuídas em no máximo oito horas diárias e será realizado durante o expediente normal da empresa.

NR 6 – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL – EPI

6.6.1 Cabe ao empregador quanto ao EPI:

  1. d) orientar e treinar o trabalhador sobre o uso adequado, guarda e conservação;

NR 7 – PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL

7.4.8 Sendo constatada a ocorrência ou agravamento de doenças profissionais, através de exames médicos que incluam os definidos nesta NR; ou sendo verificadas alterações que revelem qualquer tipo de disfunção de órgão ou sistema biológico, através dos exames constantes dos Quadros I (apenas aqueles com interpretação SC) e II, e do item 7.4.2.3 da presente NR, mesmo sem sintomatologia, caberá ao médico-coordenador ou encarregado:

  1. d) orientar o empregador quanto à necessidade de adoção de medidas de controle no ambiente de trabalho

NR 9 – PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

9.5.2 Os empregadores deverão informar os trabalhadores de maneira apropriada e suficiente sobre os riscos ambientais que possam originar-se nos locais de trabalho e sobre os meios disponíveis para prevenir ou limitar tais riscos e para proteger-se dos mesmos.

NR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

10.8.3.1 A capacitação só terá validade para a empresa que o capacitou e nas condições estabelecidas pelo profissional habilitado e autorizado responsável pela capacitação

10.8.8.1 A empresa concederá autorização na forma desta NR aos trabalhadores capacitados ou qualificados e aos profissionais habilitados que tenham participado com avaliação e aproveitamento satisfatórios dos cursos constantes do ANEXO III desta NR.

10.8.8.2 Deve ser realizado um treinamento de reciclagem bienal e sempre que ocorrer alguma das situações a seguir:

  1. a) troca de função ou mudança de empresa;
  2. b) retorno de afastamento ao trabalho ou inatividade, por período superior a três meses;
  3. c) modificações significativas nas instalações elétricas ou troca de métodos, processos e organização do trabalho.

Cursos:

ANEXO III TREINAMENTO

CURSO BÁSICO – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS COM ELETRICIDADE I – Para os trabalhadores autorizados: carga horária mínima – 40h:

CURSO COMPLEMENTAR – SEGURANÇA NO SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA (SEP) E EM SUAS PROXIMIDADES.

É pré-requisito para freqüentar este curso complementar, ter participado, com aproveitamento satisfatório, do curso básico definido anteriormente. Carga horária mínima – 40h

NR 11 – TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS

11.1.5 Nos equipamentos de transporte, com força motriz própria, o operador deverá receber treinamento específico, dado pela empresa, que o habilitará nessa função.

11.1.6 Os operadores de equipamentos de transporte motorizado deverão ser habilitados e só poderão dirigir se durante o horário de trabalho portarem um cartão de identificação, com o nome e fotografia, em lugar visível.

11.1.6.1 O cartão terá a validade de 1 (um) ano, salvo imprevisto, e, para a revalidação, o empregado deverá passar por exame de saúde completo, por conta do empregador

NR 12 – SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

12.135 A operação, manutenção, inspeção e demais intervenções em máquinas e equipamentos devem ser realizadas por trabalhadores habilitados, qualificados, capacitados ou autorizados para este fim.

12.136 Os trabalhadores envolvidos na operação, manutenção, inspeção e demais intervenções em máquinas e equipamentos devem receber capacitação providenciada pelo empregador e compatível com suas funções, que aborde os riscos a que estão expostos e as medidas de proteção existentes e necessárias, nos termos desta Norma, para a prevenção de acidentes e doenças.

12.138 A capacitação deve:

  1. c) ter carga horária mínima que garanta aos trabalhadores executarem suas atividades com segurança, sendo distribuída em no máximo oito horas diárias e realizada durante o horário normal de trabalho;
  2. d) ter conteúdo programático conforme o estabelecido no Anexo II desta Norma; e

12.144 Deve ser realizada capacitação para reciclagem do trabalhador sempre que ocorrerem modificações significativas nas instalações e na operação de máquinas ou troca de métodos, processos e organização do trabalho. 12.144.1 O conteúdo programático da capacitação para reciclagem deve atender às necessidades da situação que a motivou, com carga horária mínima que garanta aos trabalhadores executarem suas atividades com segurança, sendo distribuída em no máximo oito horas diárias e realizada durante o horário normal de trabalho.

Recomendação para reciclagem anual.

NR 13 – CALDEIRAS, VASOS DE PRESSÃO E TUBULAÇÕES

ANEXO I CAPACITAÇÃO PESSOAL

Caldeiras

A1.7 Deve ser realizada capacitação para reciclagem dos trabalhadores envolvidos direta ou indiretamente com a operação das instalações sempre que nelas ocorrerem modificações significativas na operação de equipamentos pressurizados ou troca de métodos, processos e organização do trabalho.

NR 18 – CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

18.28.1 Todos os empregados devem receber treinamentos admissional e periódico, visando a garantir a execução de suas atividades com segurança.

18.28.2 O treinamento admissional deve ter carga horária mínima de 6 (seis) horas, ser ministrado dentro do horário de trabalho, antes de o trabalhador iniciar suas atividades, constando de:

  1. a) informações sobre as condições e meio ambiente de trabalho;
  2. b) riscos inerentes a sua função;
  3. c) uso adequado dos Equipamentos de Proteção Individual – EPI;
  4. d) informações sobre os Equipamentos de Proteção Coletiva – EPC, existentes no canteiro de obra.

18.28.3 O treinamento periódico deve ser ministrado:

  1. a) sempre que se tornar necessário;
  2. b) ao início de cada fase da obra.

ou Recomendação para reciclagem anual.

NR 20 – SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COM INFLAMÁVEIS E COMBUSTÍVEIS

20.11.13 O trabalhador deve participar de curso de Atualização, cujo conteúdo será estabelecido pelo empregador e com a seguinte periodicidade:

  1. a) curso Básico: a cada 3 anos com carga horária de 4 horas;
  2. b) curso Intermediário: a cada 2 anos com carga horária de 4 horas;
  3. c) cursos Avançado I e II: a cada ano com carga horária de 4 horas.

20.11.13.1 Deve ser realizado, de imediato, curso de Atualização para os trabalhadores envolvidos no processo ou processamento, onde:

  1. a) ocorrer modificação significativa;
  2. b) ocorrer morte de trabalhador;
  3. c) ocorrerem ferimentos em decorrência de explosão e/ou queimaduras de 2º ou 3º grau, que implicaram em necessidade de internação hospitalar;
  4. d) o histórico de acidentes e/ou incidentes assim o exigir

NR 22 – SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL NA MINERAÇÃO

22.35.1 A empresa ou Permissionário de Lavra Garipeira deve proporcionar aos trabalhadores treinamento, qualificação, informações, instruções e reciclagem necessárias para preservação da sua segurança e saúde, levando-se em consideração o grau de risco e natureza das operações.

22.35.1.1 O treinamento admissional para os trabalhadores, que desenvolverão atividades no setor de mineração ou daqueles transferidos da superfície para o subsolo ou vice-versa, abordará, no mínimo, os seguintes tópicos: treinamento introdutório geral com reconhecimento do ambiente de trabalho; treinamento específico na função e orientação em serviço.

22.35.1.2 O treinamento introdutório geral deve ter duração mínima de seis horas diárias, durante cinco dias, para as atividades de subsolo, e de oito horas diárias, durante três dias, para atividades em superfície, durante o horário de trabalho, e terá o seguinte currículo mínimo:

22.35.1.3 O treinamento específico na função consistirá de estudo e práticas relacionadas às atividades a serem desenvolvidas, seus riscos, sua prevenção, procedimentos corretos e de execução e terá duração mínima de quarenta horas para as atividades de superfície e quarenta e oito horas para as atividades de subsolo, durante o horário de trabalho e no período contratual de experiência ou antes da mudança de função.

22.35.1.4 A orientação em serviço consistirá de período no qual o trabalhador desenvolverá suas atividades, sob orientação de outro trabalhador experiente ou sob supervisão direta, com a duração mínima de quarenta e cinco dias.

22.35.1.5 Treinamentos periódicos e para situações específicas deverão ser ministrados sempre que necessário para a execução das atividades de forma segura.

Não condiciona uma validade, sendo que este Treinamento é específico para cada Lavra, ou seja, não pode ser reaproveitado em outra Unidade.

A periodicidade independe da data, deverá ser monitorada e definida conforme as condições do ambiente e determinações internas da empresa, e por boa prática, não ultrapassar a condição de 2 anos ou quando houver alterações no ambiente.

NR 25 – RESÍDUOS INDUSTRIAIS

Na NR-25, os trabalhadores envolvidos em atividades de coleta, manipulação, acondicionamento, armazenamento, transporte, tratamento e disposição de resíduos devem ser Capacitados pela empresa, de forma continuada, sobre os riscos envolvidos e as medidas de controle e eliminação adequadas.

Não condiciona uma validade, para a Capacitação inserindo o termo “de forma contínua”, cabendo a administração da empresa gerenciar esta validade e a necessidade de Reciclagem, e por boa prática, não ultrapassar a condição de 2 anos ou quando houver alterações no ambiente.

NR 26 – SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

26.2.4 Os trabalhadores devem receber treinamento:

  1. a) para compreender a rotulagem preventiva e a ficha com dados de segurança do produto químico.
  2. b) sobre os perigos, riscos, medidas preventivas para o uso seguro e procedimentos para atuação em situações de emergência com o produto químico.

Não condiciona uma validade, para este Treinamento, cabendo a administração da empresa gerenciar esta validade e a necessidade de Reciclagem, e por boa prática, não ultrapassar a condição de 2 anos ou quando houver alterações no ambiente.

NR 29 – SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTUÁRIO

Na NR-29, temos no subitem 29.1.4.2 a competência da OGMO ou ao empregador na alínea “a”, proporcionar a todos os trabalhadores formação sobre segurança, saúde e higiene ocupacional no trabalho portuário, conforme o previsto nesta NR.

A condição de “formação” indica a Capacitação e Treinamento envolvendo tópicos sobre Segurança, Saúde e Higiene Ocupacional, sendo a condicionante de validade para estes temas a serem administradas pela empresa bem como a necessidade de Reciclagem conforme avaliação.O subitem 29.1.6, trata do Plano de Controle de Emergência – PCE e Plano de Ajuda Mútua – PAM, onde todos os trabalhadores devem ser Treinados, devendo haver uma Reciclagem quando houver alguma alteração nos Planos.

O subitem 29.2.2, trata da Comissão de Prevenção de Acidentes no Trabalho Portuário – CPATP, devendo ser promovido o Curso para os participantes.

A validade deste Curso deve ser condicionada ao tempo de exercício  do mandato conforme o subitem 29.2.2.4, com duração de 2 (dois) anos.

Uma nova CPATP, independente de reeleição deverá passar pelo Curso novamente.

Esta NR traz o envolvimento de profissionais diversos, onde para certas atividades há a necessidade de um Operador de Guindaste, Sinaleiro cuja validade da Capacitação conforme Norma NA-025 emitida pela ABENDI, item  8.3.1, a certificação dos profissionais em qualquer dos três níveis tem um prazo de validade de 24 meses, a contar da data de emissão do certificado.

No subitem 29.6.3.5, alínea “b” determina instruir o trabalhador portuário, envolvido nas operações com cargas perigosas, quanto aos riscos existentes e cuidados a serem observados durante o manejo, movimentação, estiva e armazenagem nas zonas portuárias, ou seja, prover por meio de Treinamento a todos os envolvidos, sendo a validade deste Treinamento condicionada, por boa prática, não ultrapassar a condição de 2 anos ou quando houver alterações no ambiente, inclusão de novas cargas.

No subitem 29.6.3.6, caberá ao trabalhador habilitar-se por meio de cursos específicos para operações com carga perigosa.

O Curso sobre MOPP – Movimentação Operacional de Produtos Perigosos, regulamentado pelo CONTRAN, tem validade de 5 anos, quando os condutores deverão realizar a atualização do respectivo curso, devendo o mesmo coincidir com a validade do exame de Aptidão Física e Mental do condutor.

NR 30 – SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO AQUAVIÁRIO

Na NR-30, o subitem 30.4.1.1 e Anexo II – Plataforma e Instalações e Apoio abordam sobre a formação da CIPA, cuja tratativa e validade deve ser nos parâmetros já descritos nesta postagem para a NR-5.

No Anexo I – Pesca Comercial e Industrial, os pescadores profissionais deverão possuir formação compreendendo:

  • Treinamento para o combate a incêndios;
  • Utilização de meios de salvamento e sobrevivência;
  • Uso adequado dos aparelhos de pesca e dos equipamentos de tração;
  • Diferentes métodos de sinalização, especialmente os de comunicação por sinais.

Esta “formação” não condiciona validade e tempo para Reciclagem, onde deverá ser monitorada e avaliada, devendo ser prevista a Reciclagem, por boa prática não ultrapassar a cada 2 anos.

O Anexo II – Plataforma e Instalações e Apoio, traz informações quanto a condições para trabalho referente ao Operador de Caldeira, devendo estarem atendidas as condições já descritas na NR-13.

NR 31 – SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA AGRICULTURA, PECUÁRIA, SILVICULTURA, EXPLORAÇÃO FLORESTAL E AQUICULTURA

Na NR-31, o subitem 31.7.20 aborda sobre a formação da CIPA, cuja tratativa e validade deve ser nos parâmetros já descritos nesta postagem para a NR-5.

O subitem 31.8.8 determina a Capacitação sobre prevenção de acidentes com agrotóxicos a todos os trabalhadores expostos diretamente, não condicionando uma validade para a mesma, porém, deixa claro no item 31.8.8.4 que deverá complementar ou realizar novo programa quando comprovada a insuficiência da capacitação proporcionada ao trabalhador.Neste ponto, como comprovar esta insuficiência

Caberá a empresa gerenciar e verificar esta condição por meio de alterações nas atividades, inclusão de novos produtos, elevado índice de acidentes / incidentes e por boa prática, não ultrapassar a condição de 2 anos quando não houver alterações no ambiente.

Nas atividades de campo, o uso de máquinas autopropelidas remete a Capacitação do empregados na NR-12, devendo ser observados os prazos já descritos nesta postagem, condição prevista no subitem 31.12.74 visando o manuseio e à operação segura de máquinas e implementos, de forma compatível com suas funções e atividades.

NR 32 – SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NO TRABALHO EM SERVIÇO DE SAÚDE

Na NR-32, o subitem 32.2.4.9 deverão ser Capacitação aos trabalhadores, antes do início das atividades e de forma continuada, devendo ser ministrada:

Sempre que ocorra uma mudança das condições de exposição dos trabalhadores aos agentes biológicos;

No subitem 32.3.6.1, deverão ser Capacitados, inicialmente e de forma continuada, os trabalhadores envolvidos para a utilização segura de produtos químicos.

No subitem 32.3.10.1, todos os trabalhadores envolvidos com Quimioterápicos Antineoplásicos devem receber Capacitação inicial e continuada.
No subitem 32.4.2.1, os trabalhadores que realizam atividades em áreas onde existam fontes de radiações ionizantes deverão ser Capacitados inicialmente e de forma continuada em proteção radiológica.

No subitem 32.4.14.2.4,  os trabalhadores responsáveis pela manipulação de fontes seladas utilizadas em braquiterapia deverão ser Capacitação.

No subitem 32.5.1, os trabalhadores que executarem atividades com Resíduos deverão ser Capacitados inicialmente e de forma continuada.

Para as condições apresentadas quanto a Capacitação, não estão condicionadas a uma validade, para estes Treinamentos, cabendo a administração da empresa gerenciar esta validade e a necessidade de Reciclagem, e por boa prática, não ultrapassar a condição de 2 anos ou quando houver alterações no ambiente.

NR 33 – SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS 

33.3.5 – Capacitação para trabalhos em espaços confinados

33.3.5.3 Todos os trabalhadores autorizados, Vigias e Supervisores de Entrada devem receber capacitação periódica a cada 12 meses, com carga horária mínima de 8 horas. (Alterado pela Portaria MTE n.º 1.409, de 29 de agosto de 2012).

NR 34 – CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO NAVAL

34.3.4 O empregador deve desenvolver e implantar programa de capacitação, compreendendo treinamento admissional, periódico e sempre que ocorrer qualquer das seguintes situações:

  1. a) mudança nos procedimentos, condições ou operações de trabalho;
  2. b) evento que indique a necessidade de novo treinamento;
  3. c) acidente grave ou fatal.

34.3.4.1 O treinamento admissional deve ter carga horária mínima de seis horas, constando de informações sobre: a) os riscos inerentes à atividade;

  1. b) as condições e meio ambiente de trabalho;
  2. c) os Equipamentos de Proteção Coletiva – EPC existentes no estabelecimento;
  3. d) o uso adequado dos Equipamentos de Proteção Individual – EPI.

34.3.4.2 O treinamento periódico deve ter carga horária mínima de quatro horas e ser realizado anualmente ou quando do retorno de afastamento ao trabalho por período superior a noventa dias.

34.3.5 A capacitação deve ser realizada durante o horário normal de trabalho.

34.3.5.1 Ao término da capacitação, deve ser emitido certificado contendo o nome do trabalhador, conteúdo programático, carga horária, data e local de realização do treinamento e assinatura do responsável técnico.

34.3.5.2 O certificado deve ser entregue ao trabalhador e uma cópia deve ser arquivada na empresa.

34.3.5.3 A capacitação será consignada no registro do empregado.

34.3.6 O trabalhador deve receber o material didático utilizado na capacitação.

No subitem 34.9.2, os trabalhadores deverão ser treinados quanto as informações sobre a FISPQ.O Anexo I apresenta o conteúdo de treinamento para vários Cargos, sendo descrito o conteúdo programático e carga horária mínima.

Tal condição faz uma amarração destas Capacitações e Treinamentos ao registro do empregado não condicionando uma validade para a mesma, ou seja, havendo a existência de uma das condições previstas no subitem 34.3.4, deverá ser efetuada a Reciclagem.

NR 35 – TRABALHO EM ALTURA

35.3.3 O empregador deve realizar treinamento periódico bienal e sempre que ocorrer quaisquer das seguintes situações:

  1. a) mudança nos procedimentos, condições ou operações de trabalho;
  2. b) evento que indique a necessidade de novo treinamento;
  3. c) retorno de afastamento ao trabalho por período superior a noventa dias;
  4. d) mudança de empresa.

35.3.3.1 O treinamento periódico bienal deve ter carga horária mínima de oito horas, conforme conteúdo programático definido pelo empregador.

NR 36 – SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO EM EMPRESAS DE ABATE DE CARNES E DERIVADOS

Na NR-36, o subitem 36.8.4.1, insere a condição de treinamento e orientação, na admissão e periodicamente para os trabalhadores que utilizarem máquinas e equipamentos.

No subitem 36.9.4.2, na identificação de exposição a Agente Biológico prejudicial à saúde do trabalhador, deverão os trabalhadores serem treinados e informados.

No item 36.12.5, um Programa de Conservação Auditiva deverá ser implementado, para os trabalhadores expostos a níveis de pressão sonora acima dos níveis de ação, devendo serem treinados e informados.

Para o item que aborda a Organização da Atividades, o subitem 36.14.7.1.2 define que os trabalhadores devem estar treinados para as diferentes atividades que irão executar.

O subitem 36.16.1, define que todos os trabalhadores deverão receber informações sobre os riscos relacionados ao trabalho, suas causas potenciais, efeitos sobre a saúde e medidas de prevenção.

Em todos os subitens não ha condicionamento de validade para estes treinamentos, cabendo a administração da empresa gerenciar esta validade e a necessidade de Reciclagem, e por boa prática, não ultrapassar a condição de 2 anos, devendo ainda verificar se houver alguma alteração no ambiente ou inclusão de máquina e equipamento ou produtos químicos ou agentes biológicos para efetuar a Reciclagem.

 

Todos os cursos com códigos rastreados na certificação.